Laudo de vistoria de Terminais do Transcol aponta preocupação com estruturas

Após a realização de visitas técnicas, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES) apresentou, durante uma reunião da Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa do Estado (Coinfra), laudos que identificaram falhas nas estruturas dos dez terminais urbanos da Grande Vitória que atendem o sistema Transcol.  A reunião que aconteceu no final da manhã desta segunda-feira (18), contou com a participação de engenheiros do Crea que apontaram as imperfeições presentes nos terminais, apresentando também, recomendações sobre o que poderá ser feito para melhorar a segurança e preservação desses ambientes.

Dentre os problemas apresentados, a situação dos telhados de alguns dos terminais se destacou por apresentar oxidação nas telhas e corrosão no concreto, o que compromete a estabilidade da estrutura. Também foram encontradas infiltrações, revestimentos soltos, caixas d’água destampadas e com presença de insetos, falta de materiais de segurança, entre outras imperfeições que, de acordo com os engenheiros, são decorrentes da falta de manutenção.  “É preciso, antes de mais nada,  gerar um plano de manutenção preventiva, fazendo com que o Estado   economize, sem que o Crea precise intervir fazendo vistorias para que esses problemas sejam percebidos”,  conta o vice-presidente do Crea, Ricardo Guariento, garantindo que não há risco de colapso estrutural no momento.

“Não temos nada nos terminais que possamos chamar de risco iminente, mas precisamos prestar atenção que, principalmente na falta de manutenção onde passa água, tanto na estrutura metálica como na de concreto pois, onde passa o líquido, gera oxidação e, a longo prazo, podemos ter um colapso da estrutura”, destacou Guariento.

Durante a reunião, o presidente da Comissão de Infraestrutura, o deputado estadual Marcelo Santos, disse que irá cobrar agilidade para que as obras de recuperação sejam feitas, assim como a  frequente manutenção dos locais. “Vamos enviar esses laudos para a Ceturb (Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado), Setop (Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas) e ao Governador do Estado, e iremos emitir uma Nota Legislativa Recomendatória que, caso não seja cumprida, ajuizaremos uma ação e provocaremos os órgãos de fiscalização e controle para, que, junto conosco, possam agir e cobrar os responsáveis” ressalta o parlamentar.

Para o coordenador do Grupo de Trabalho de Infraestrutura do Crea, Jaime Veiga o objetivo do Crea é proteger o capixaba. “Não estamos aqui para alarmar ninguém, apenas constatamos o que está posto para auxiliar o trabalho da Assembleia Legislativa, chamando a atenção para que seja feito o necessário para proteger o cidadão”, comentou.

A Comissão de Infraestrutura em parceria inédita com o Crea-ES, também já visitou importantes obras do Estado, como a Segunda Ponte e a Rodoviária de Vitória, nas quais foram identificados problemas de falhas de manutenção e, imediatamente, cobradas as responsabilidades dos órgãos competentes. “Esse convenio não tem custo algum para o Poder Público e resultou em algumas ações positivas, apesar dos laudos serem negativos, apontando falhas nas estruturas da Segunda Ponte, dos terminais do sistema Transcol e, assim, oferecer segurança e conforto aos usuários que utilizam essas construções”, finalizou Marcelo Santos.

Principais patologias encontradas nos Terminais:

- Armadura em estado avançado de corrosão e início de desplacamento do cobrimento de concreto em vigas e pilares;

- Vigas com espaçamentos muito acima do devido proveniente da movimentação da estrutura e não colocação do material expansivo, podendo desestabilizar a estrutura;

- Trincas não coincidentes com as juntas de trabalho ou de movimentação nos pisos das plataformas de embarque;

- Para-raios com corrosão avançada e com fios aparentes e soltos;

- Sinais de infiltração nas coberturas e vigas de concreto;

- Falhas nos sistemas de combate a incêndio;

- Falhas na acessibilidade dos Terminais;

- Coberturas metálicas dos Terminais em avançado estado de corrosão;

- Fios elétricos expostos e próximos a tubulações de água;

- Banheiros sem condições de uso, sem portas;

- Falha na acomodação do piso.

Assessoria de comunicação

Data de Publicação: segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

LEIA MAIS...

Assembleia vai ter Comissão Especial de Petróleo, Gás e Energia
Marcelo Santos quer cadastro de pedófilos no Espírito Santo
Dnit e DER apresentam ações para Segunda Ponte